Usiminas seria mais afetada por possível racionamento de energia, diz BofA

09/01/2013 10:32

Analistas do banco apontam que empresa corre risco de queda na produção e queda na demanda de aço

Por Paula Barra - Infomoney

SÃO PAULO - A falta de chuvas e a má gestão do setor elétrico nacional fizeram o País chegar a uma situação limite de um possível racionamento. O alerta foi disparado pela convocação da presidente Dilma Rousseff para uma reunião emergencial com a cúpula do setor nesta quarta-feira (9), mas os estragos disso podem se espalhar para outros cantos da economia - como as siderúrgicas. 

Num cenário de racionamento, o Bank of America Merrill Lynch indica que a Usiminas (USIM3; USIM5) seria a companhia mais atacada do setor, já que a empresa gera apenas 25% da energia que utiliza. Os analistas Thiago Lofiego, Felipe Hirai e Karel Luketic explicam que a Cemig (CMIG4) fornece de 65% a 70% de energia para a companhia num contrato com duração de cinco anos e que expira em 2019. Mas o risco de racionamento forçaria a elétrica a reduzir a energia fornecida, que hoje corresponde a 320 MegaWatts médios, o que acabaria provocando uma queda na produção da siderúrgica.

Usiminas: siderúrgica mineira deve ser a mais prejudicada no setor com possível apagão, avalia BofA (Reuters)
Usiminas: siderúrgica mineira deve ser a mais prejudicada no setor com possível apagão, avalia BofA (Reuters)

Além disso, a empresa possui uma alta exposição ao mercado doméstico, e que deve enfrentar um risco de demanda. "Pensamos que o consumo e a confiança dos investidores provavelmente serão atingidos, ou seja, o consumo de aço no Brasil declinaria - notando que o setor automotivo foi fortemente impactado no racionalmento de 2001", avaliam. 

CSN e Gerdau sofrem menor impacto
Por sua vez, os analistas apontam que a CSN (CSNA3) e Gerdau (GGBR4) teriam um impacto menor nesse cenário. 

A CSN é autossuficiente em energia, por meio de suas participações nas usinas hidroelétricas de Itá e Igarapava e sua central termelétrica própria no Rio de Janeiro. E, por isso, em caso de racionamento de energia, a central termelétrica da companhia não seria afetada, estimam os analistas. 

Além disso, eles ressaltam que a exposição no minério de ferro reduz riscos, já que a dinâmica da demanda segue o comportamento global. 

Já a Gerdau detém uma participação de 51,8% no Consórcio Dona Francisca e também possui as usinas hidroelétricas Caçu e Barra dos Coqueiros, num total de 220 MW de capacidade de energia, o que significa 40% de integração. Eles comentam ainda que a empresa seria menos afetada pela sua diversificação geográfica.

Os analistas reiteram recomendação underperform (desempenho abaixo da média) para as ações da Usiminas e Gerdau, enquanto indicam call neutro para Gerdau. 

Setores que mais (ou menos) impactados pela energia, na visão do BofA
Na véspera, o BofA traçou um cenário com base nos setores que deverão ser mais afetados, assim como aqueles que serão pouco impactados em um ambiente de contenção de energia.

Apesar de melhor preparadas, o setor industrial deve enfrentar um racionamento da produção caso os níveis de água nas hidrelétricas se tornem mais baixos; o setor de autopeças devem ser os mais afetados. Também entre os mais prejudicados, está o setor de eletrônicos com o declínio do volume de vendas no curto prazo. 

Já os setores que devem apresentar um desempenho acima da média do mercado, apesar do racionamento, estão o financeiro, o de consumo e o de telecomunicações. Os bancos não devem apresentar impacto nas suas operações, avaliam os analistas, somente em caso de uma desaceleração econômica.

Além disso, varejistas têxteis e companhias ligadas ao consumo não-cíclico, como a Ambev (AMBV4), devem sofrer um impacto limitado na demanda e a maiores custos operacionais, uma vez que deve acionar geradores e reduzir os horários de atendimento em loja.

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>