Títulos da Petrobras superestimam riscos, diz Credit Suisse

10/02/2015 21:17

Fernando Frazão/Agência Brasil

Edifício-sede da Petrobras na Avenida Chile, centro do Rio

Petrobras: petroleira enfrenta dificuldades diante dos baixos preços internacionais do petróleo e do risco de perder seu grau de investimento

Guillermo Parra-Bernal, da REUTERS

 SÃO PAULO - Os rendimentos dos títulos da Petrobras com vencimento de curto prazo têm superestimado o risco de um default da petroleira, dando aos investidores a chance de adquirir os papéis a preços módicos, disseram analistas do Credit Suisse Securities nesta terça-feira.

A petroleira estatal enfrenta dificuldades diante dos baixos preços internacionais do petróleo e do risco de perder seu grau de investimento em meio a uma investigação de corrupção.

Apesar dos ventos contrários, analistas liderados por Jamie Nicholson disseram em nota a clientes que os títulos da Petrobras, especialmente aqueles que vencem em 2016, oferecem “valor relativo atrativo”.

O spread com volatilidade zero (z-spread) dos títulos da Petrobras com cupom de 7,875 por cento e vencimento em março de 2019 é de 6,54 pontos percentuais, comparados aos z-spreads de 1,1 ponto e 1,8 ponto dos títulos da mexicana Pemex e da colombiana Ecopetrol, respectivamente. O z-spread é usado por analistas e investidores para encontrar discrepâncias entre os rendimentos de títulos de diferentes emissores.

O Credit Suisse ressalta que os desafios enfrentados pela Petrobras com as investigações de casos de corrupção e lavagem de dinheiro reduzem o acesso da companhia aos mercados globais de capitais. Por causa do escândalo de corrupção, os auditores externos se recusaram a certificar o balanço financeiro referente ao terceiro trimestre de 2014, colocando a empresa em risco de default técnico em 54 bilhões de dólares em bônus.

CLIQUE AQUI E TESTE SUA PLATAFORMA DE NEGOCIAÇÃO GRÁTIS.

A Petrobras deve ser capaz de entregar em breve seus resultados auditados, de modo a assegurar que seu balanço esteja em conformidade com as condições estabelecidas na emissão dos títulos, disse a nota, acrescentando que se o acesso aos mercados de capitais se deteriorar, o governo vai cobrir as necessidades de financiamento da Petrobras.

A possibilidade de um default técnico continua “relativamente remota”, disse Nicholson.  Enquanto a companhia enfrenta certo risco de ter seus ratings rebaixados novamente, especialmente se o rating soberano do Brasil for reduzido, tal cenário já foi em grande medida precificado, acrescentou a analista.

Nicholson destacou que a nova diretoria da Pertrobras, liderada pelo presidente-executivo, Aldemir Bendine, "pode não ter independência suficiente e experiência no setor de petróleo para resolver os desafios da Petrobras e restaurar a credibilidade no mercado.”

O desafio de curto prazo imediato de Bendine é resolver a questão dos demonstrativos financeiros da Petrobras e restaurar a credibilidade na esteira do escândalo, disse Nicholson. Desenvolver "um plano de negócios de médio prazo crível para gerar fluxo de caixa livre positivo e refinanciar a dívida será um desafio maior", acrescentou a analista.

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>