Telefónica tenta aliviar pressão de reguladores brasileiros

17/07/2014 20:43

Companhia vai reduzi sua fatia na Telecom Italia para ajudar a aplacar reguladores sobre preocupações antitruste

Danilo Masoni e Julien Toyer, da

Angel Navarrete/Bloomberg

Pedestres usam seus celulares enquanto passam pela sede da Telefónica

Pedestres usam seus celulares enquanto passam pela sede da Telefónica

Milão/Madri - O movimento da Telefónica para reduzir sua fatia na concorrente Telecom Italia pode ajudar o grupo espanhol a aplacar reguladores sobre preocupações antitruste e possivelmente acelerar a consolidação no mercado brasileiro.

A Telefónica controla a Vivo, principal operadora brasileira, e é a maior acionista da Telecom Italia, dona da TIM Participacoes, que concorre com a Vivo.

O Brasil é crucial para a Telefónica porque ser o segundo maior gerador de caixa depois do mercado espanhol e tem chances de crescimento, ao contrário dos mercados europeus relativamente saturados como Alemanha e Reino Unido.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu à Telefónica 18 meses para vender sua fatia na Telecom Italia ou procurar um novo parceiro para a Vivo, após um acordo com investidores italianos que deu à Telefónica cerca de 15 por cento da Telecom Italia.

CLIQUE AQUI E TESTE SUA PLATAFORMA DE NEGOCIAÇÃO GRÁTIS.

A Telefónica anunciou na véspera a venda de 750 milhões de euros (1 bilhão de dólares) em bônus conversíveis em ações da Telecom Italia, reduzindo sua fatia para entre 9,4 e 8,3 por cento na companhia.

A empresa também tentou apaziguar os reguladores brasileiros puxando de volta seus dois representantes de conselho da Telecom Italia em dezembro, para evitar conflitos de interesse.

Mas a decisão de sair parcialmente do seu investimento na Telecom Italia tem alimentado expectativas de que o regulador agora possa suavizar sua postura com o grupo espanhol, disseram pessoas familiarizadas com a situação e analistas.

"Eu não acho que o Cade vai olhar para isso de forma negativa, pelo contrário", disse à Reuters um executivo sênior de telecomunicações brasileiro.

A Telefónica se recusou a comentar, embora o Cade tenha dito que não tinha sido oficialmente informado do plano e, portanto, não poderia comentar.

O analista do Akros Bank, Andrea De Vita, disse que uma redução da participação da Telefónica na Telecom Italia para menos de 10 por cento pode ser bastante para aliviar as preocupações no Brasil. (Reportagem adicional de Leila Abboud em Paris e Leonardo Goy em Brasília)

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>