Pão de Açúcar segue otimista com 4º trimestre

01/11/2012 15:42

 

Com a consolidação das operações da ViaVarejo, a companhia se prepara para apostar em novos negócios no setor de viagens

 ALEXANDRE BATTIBUGLI/EXAMELoja do Pão de Açúcar

Loja do Pão de Açúcar: maior varejista do país destacou que manterá o foco na aceleração do crescimento orgânico em 2013

São Paulo - Depois de apurar lucro acima do esperado e quase 65 por cento maior no terceiro trimestre, o Grupo Pão de Açúcar reforçou as apostas de que os últimos meses do ano serão os mais favoráveis para a companhia, que vem colhendo frutos da consolidação da ViaVarejo e se prepara para ingressar em novos segmentos.

"Continuamos muito otimistas e confiantes com o mercado consumidor brasileiro e os fundamentos da economia do país... as medidas tomadas pelo governo para impulsionar o consumo já se percebem para o final do ano e 2013", disse o presidente-executivo da companhia, Enéas Pestana, em teleconferência nesta quinta-feira.

A maior varejista do país, que está em fase de conclusão do planejamento estratégico e orçamento para o próximo ano, destacou que manterá o foco na aceleração do crescimento orgânico em 2013, quando os formatos de maior retorno serão priorizados, como o Minimercado Extra (antigo Extra Fácil).

O Pão de Açúcar teve lucro líquido de 210 milhões de reais entre julho e setembro, salto de 64,6 por cento sobre um ano antes, conforme dados divulgados na véspera, revertendo o cenário mais desafiador visto na primeira metade do ano.

Dentre os destaques do período, as vendas comparáveis do Minimercado Extra cresceram 23,6 por cento. No trimestre passado foram abertas oito lojas sob esta bandeira, além de três Extra Supermercado, três Extra Hiper e uma Pão de Açúcar, totalizando 15 novas unidades.

 Para o atual trimestre, o grupo tem o desafio de mais que dobrar o número de inaugurações, com a previsão de abrir 40 lojas, sendo 30 Minimercado Extra. 

"No quarto trimestre vamos manter o ritmo de aberturas do terceiro, acelerando a abertura de lojas Assaí", disse o vice-presidente de Varejo, José Roberto Tambasco.

Novos Negócios

Com a consolidação das operações da ViaVarejo, que reúne Casas Bahia, Ponto Frio e Nova Pontocom, a companhia se prepara para apostar em novos negócios no âmbito do comércio eletrônico.

A Nova Pontocom, unidade de vendas online do grupo, está se preparando para ingressar no segmento de viagens, com foco na comercialização de pacotes via Internet, afirmou o presidente-executivo da empresa, German Quiroga.

A partiuviagens.com é parte de uma plataforma de novos negócios online, que inclui ainda soluções para o atacado.

"Estudamos há muito tempo a possibilidade de entrada nesse segmento", disse Quiroga. "Vamos explorar um segmento menos saturado e com margens maiores, superiores às que trabalhamos hoje nas principais categorias de produtos", acrescentou, se referindo a eletroeletrônicos e itens de informática.

Klein deixa Viavarejo

Conforme previsto em contrato, o atual presidente-executivo da ViaVarejo, Raphael Klein, deixará o cargo em 22 de novembro, mas seu substituto ainda não foi definido, segundo a companhia. 

  A indicação do novo executivo, conforme Pestana, será feita pelo Comitê de Recursos Humanos do grupo para aprovação do Conselho de Administração, seguindo "as regras de governança corporativa da ViaVarejo, com respeito e neutralidade... sendo um passo importante na consolidação do processo de profissionalização da companhia".

O desempenho da ViaVarejo no terceiro trimestre ajudou a impulsionar o resultado do grupo. 

A unidade de eletroeletrônicos e vendas online viu o lucro líquido aumentar em mais de oito vezes, para 67,9 milhões de reais, com maior controle de despesas e reposicionamento da marca Ponto Frio.

"Recebi a empresa resultando em prejuízo e agora ela tem lucro sustentável", afirmou Klein. "Os resultados da minha gestão estão registrados nos números da empresa".

A saída do executivo ocorre antes das operações que resultaram na formação da ViaVarejo (antiga Globex) terem sido julgadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o que, segundo os executivos, é esperado para ocorrer ainda em novembro.

O movimento também tem como pano de fundo as tensões envolvendo a família Klein --ex-dona da Casas Bahia e detentora de quase metade da ViaVarejo-- e o Grupo Pão de Açúcar.

Conforme informado em meados de outubro, a varejista contratou a KPMG para realizar uma verificação nas empresas que formam a ViaVarejo, em meio à possibilidade da família Klein abrir um processo de arbitragem contra a Pão de Açúcar, por inconsistências nos balanços da Globex usados para definição do valor atribuído à empresa no processo de fusão com a Casas Bahia, em 2010.

 

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>