Os computadores têm futuro? A Acer aposta tudo que sim

06/01/2015 21:40

Bloomberg

Computador Acer

Computador da Acer: para a Acer, sua principal oportunidade está no novo mercado de Chromebooks

Tim Culpan, da Bloomberg

Taipei - Quando Jason Chen assumiu o cargo de CEO da Acer Inc. há um ano, ele recebeu uma lista de três páginas dos problemas, classificados por cores, da moribunda fabricante de computadores. Ele guardou o memorando em uma gaveta e não lhe deu atenção.

Ao invés disso, preferiu se concentrar nos aspectos positivos. Chen, 53, elaborou um plano de 100 dias após ler livros sobre a recuperação da International Business Machines Corp. e da Japan Airlines Co. Ele se reuniu com funcionários na sede da Acer em Taipei para compartilhar suas ideias e partiu para o exterior para levantar o moral.

Na contramão das previsões de queda no setor de computadores, à medida que os consumidores passam a usar aparelhos portáteis, a Acer está apostando em modelos de última geração, como laptops baratos com o software Chrome, da Google Inc., e híbridos de tablet e laptop, ao mesmo tempo em que se expande aos telefones e à computação na nuvem. Como as ações da empresa subiram 17 por cento no ano passado, Chen considera que o pior já passou e prevê que as vendas vão voltar a crescer.

“Toda e qualquer empresa tem muitos problemas”, disse Chen em entrevista na sede da Acer. “Presto muito mais atenção aos pontos fortes da companhia e a como podemos utilizá-los para agarrar as oportunidades”.

A Acer não viu muito do tipo de otimismo de Chen nos últimos tempos. Nos três anos antes que ele chegasse, as ações da empresa despencaram 80 por cento, enquanto o mercado de computadores declinava e os lucros evaporavam. A empresa acabou assumindo US$ 450 milhões em amortizações, e a equipe administrativa anterior pediu demissão.

CLIQUE AQUI E TESTE SUA PLATAFORMA DE NEGOCIAÇÃO GRÁTIS.

Chromebook

A Acer tem experiência na área “não muito confortável” de fabricação de computadores, disse Chen. Ao invés de mudar para áreas totalmente diferentes, ele quer realizar melhorias estáveis dentro do setor de computadores ao mesmo tempo em que se expande para áreas relacionadas. Ao explorar o negócio principal, Chen disse que a renda anual da Acer voltará a crescer neste ano, pela primeira vez em cinco anos.

“A recuperação está praticamente concluída”, disse ele. Neste ano, “já não falaremos de reviravolta”.

Para a Acer, sua principal oportunidade está no novo mercado de Chromebooks – laptops de baixo custo, que utilizam o sistema operacional da Google e dispensam drives internos de armazenamento caros –. A Acer tem cerca de 35 por cento desse mercado, de acordo com a empresa de pesquisa International Data Corp., e o crescimento das cifras na categoria vai aumentar essa sorte. A companhia anunciou o que disse ser o primeiro Chromebook de 15,6 polegadas do setor no dia 3 de janeiro, em Las Vegas.

Notebooks conversíveis

Os Chromebooks não vão ser “a cura de todos os males”, disse Bryan Ma, analista de informática da IDC em Cingapura.

“É possível que ajudem a estabilizar as coisas para que a empresa possa entrar nos eixos no curto prazo”, disse ele. “Essencialmente, a grande questão é como eles pretendem lidar com outras categorias de produtos, além dos computadores”.

Os notebooks conversíveis – cujo teclado pode ser desmontado para que se transformem em tablets – possibilitam que a Acer atenda os consumidores que estão trocando os computadores pelo iPad, da Apple Inc. Além disso, modelos de alta gama ajudarão a empresa a atrair a multidão de jogadores que ainda não desistiu completamente dos computadores.

A Acer também está se aventurando com smartphones. A partir de uma base pequena, a companhia triplicou as vendas nos três últimos anos e pretende manter o foco firme, explorando distintos mercados e estratégias para encontrar uma fórmula de sucesso.

Essa abordagem moderada e de pequena escala possibilitará que a Acer escape da onda de concorrência exacerbada que provavelmente vai acabar com os rivais, disse Chen. Ela também vai ajudar a empresa a sobreviver o suficiente para realizar o sonho de Stan Shih, fundador da Acer, de desenvolver o ecossistema de computação na nuvem concebido por ele há uma década.

O sol e a sombra

Embora Chen não quisesse avaliar seu próprio desempenho durante o primeiro ano, os investidores e clientes já compraram a conversa de vendas. O preço das ações, a participação de mercado e as remessas da Acer já aumentaram, e os analistas estão projetando que a receita do quarto trimestre mostrará o primeiro lucro desde junho de 2012.

“Acredito piamente que se encararmos o sol e corrermos o mais rápido possível em direção a ele, a sombra sempre estará atrás da gente”, disse Chen. “Mas se ficarmos olhando para a sombra, ela vai se tornar maior, porque o sol se põe”.

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>