Empresa americana investe R$ 950 mi no Porto de Açu

10/04/2014 00:19

Investimentos da Edison Chouest Offshore deverá criar uma base de apoio offshore no Porto do Açu, em São João da Barra (RJ)

Monica Ciarelli e Mariana Durão, do

Ricardo Moraes/Reuters

Construção em curso do projeto de US$ 2 bilhões do porto de Açu, do bilionário Eike Batista, em São João da Barra, no Rio de Janeiro

Construção em curso do Porto de Açu: ECO é forte candidata à licitação da Petrobras para contratar seis berços de atracação de embarcações de apoio na Bacia de Campos

Rio - A americana Edison Chouest Offshore (ECO) vai investir R$ 950 milhões para criar uma base de apoio offshore no Porto do Açu, em São João da Barra (RJ). Assinado nesta quarta-feira, 09, pela Prumo Logística Global, antiga LLX, o contrato será o maior já fechado pelo porto. O negócio pode ser a porta de entrada para a Petrobras no Açu, já que o grupo presta serviços para a estatal.

A empresa americana é forte candidata à licitação prestes a ser aberta pela petroleira para contratar seis berços de atracação de embarcações de apoio na Bacia de Campos. A ECO chegou a vencer uma concorrência recente para operar outros dois berços, mas desistiu porque ainda não tinha um contrato firme com o Açu para montar sua base.

"Assinar com a Edison Chouest não é uma garantia de que a Petrobras irá para o Porto do Açu, mas será uma surpresa se ela não for", diz o presidente da Prumo, Eduardo Parente, em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Para o executivo, a instalação do grupo irá atrair a petroleira e outras empresas da cadeia de óleo e gás. A Edison Chouest é a primeira companhia a decidir se instalar no Açu após a entrada da EIG Global Energy Partners, que passou a controlar a Prumo em outubro passado. O último contrato havia sido fechado em março de 2013 com a Wärtsila.

A expectativa é que a base offshore comece a operar no início de 2015. O contrato prevê um arrendamento da área por 15 anos, prorrogáveis por mais três períodos de cinco anos. A unidade poderá receber 12 embarcações de início, mas tem a possibilidade de ampliar a capacidade a 18 com uma futura expansão.

Ao todo a companhia ocupará 255 mil metros quadrados no complexo e deve gerar 900 empregos. O projeto ocupará 440 metros de cais no Terminal 2 do Açu, com opção de duplicação. O canal de navegação usado pela ECO tem 3.721 metros e também será utilizado por outras empresas instaladas no T2, como Wartsila, Technip, NOV e Intermoor. A Prumo aguarda apenas o sinal verde da Marinha para dar início às operações no canal, o que deve ocorrer em até dois meses.

"Não existe hoje no Brasil infraestrutura para o atendimento de unidades marítimas de forma técnica. A posição geográfica do Açu é fantástica. Traz economia de escala em redução de tempo e combustível", diz Ricardo Chagas, diretor da Edison Chouest. O Açu está a cinco horas de distância contra oito de concorrentes, o que significa economia de escala em tempo e combustível.

Fornecedor global

Fundada na década de 60 na Louisiana, a ECO é um dos principais fornecedores globais de transporte marítimo offshore. O grupo opera uma frota de mais de 230 navios no mundo, com uma receita anual de US$ 8 bilhões. No Brasil são 70 embarcações de apoio offshore em operação para Petrobras, Shell, Queiroz Galvão, Total, Repsol e Statoil, dez Veículos de Operação Remota (ROVs) e um estaleiro em Navegantes (SC), onde constrói seis embarcações por ano e hoje tem em carteira 19 navios em construção.

CLIQUE AQUI E TESTE SUA PLATAFORMA DE NEGOCIAÇÃO GRÁTIS.

A expectativa é que em cinco anos a operação no Açu represente 20% do faturamento anual da Edison Chouest no País, hoje de US$ 1,6 bilhão.

O aporte de R$ 950 milhões da companhia será destinado a montar uma infraestrutura de galpões e tanques, capaz de armazenar materiais utilizados nas plataformas de petróleo como água, lama e tubos de aço.

Parente, que assumiu o comando a Prumo há menos de dois meses, se mostra entusiasmado com as perspectivas de crescimento do porto. "(O acordo com o grupo americano) coroa um novo momento da empresa", afirmou.

O executivo lembra que o ambiente hoje é de maior confiança sobre os rumos da companhia após a também americana EIG ter assumido o controle da Prumo - antes nas mãos do empresário Eike Batista -, que recebeu um aumento de capital de R$ 1,3 bilhão e R$ 900 milhões em novos empréstimos.

"Tínhamos uma situação de como pagar a conta e chegou um grupo americano, que colocou o dinheiro aqui. A obra voltou a andar de forma acelerada", explicou. O contrato assinado hoje com a "fera" do mercado offshore, como é chamada a Edison Chouest por Parente, foi negociado pessoalmente pelo executivo, que chegou a ir à Louisiana, nos Estados Unidos.

Depois de fechar esse contrato, que dará um bom fôlego financeiro à Prumo, a prioridade de Parente é o desenvolvimento de novos negócios no Açu: uma unidade de reparo naval para plataformas com grande profundidade, um terminal de transbordo de petróleo e a atração de empreendimentos na área de energia, como a instalação de termelétricas. O Açu já tem um terminal de gás natural liquefeito (GNL) licenciado, que poderia ajudar a abastecer as usinas.

A análise do grupo é que as novas frentes têm potencial de geração de receita superior ao simples aluguel de áreas, além de serem indutoras para atração de outras companhias, como fornecedores.

 

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>