Bradesco vê menos calotes e expande oferta de crédito

14/01/2013 14:08

Diretor-executivo do banco prevê que queda em seus indicadores recentes de inadimplência se estenderá em 2013

 
Egberto Nogueira/ ImafotogaleriaFachada da agência prime do Banco Bradesco

Fachada da agência prime do Bradesco: índice de inadimplência era de 4,1% para a carteira total no fim de setembro

São Paulo - O Bradesco verificou queda em seus indicadores recentes de inadimplência e prevê que esse movimento se estenderá em 2013, disse nesta segunda-feira o diretor-executivo do banco Octávio de Lazari Júnior, responsável pela área de empréstimos e financiamentos.

 

Segundo o executivo, essa percepção --somada à expectativa de manutenção da taxa básico de juro Selic no piso histórico de 7,25 por cento ao ano e de inflação controlada-- motivou a decisão do segundo maior banco privado do país de expandir em 14 bilhões de reais os recursos pré-aprovados para clientes pessoa física.

Com o aumento de quase 20 por cento, o volume disponível para essa base subiu de 67,6 bilhões para 80,7 bilhões de reais, informou o banco, acrescentando que os recursos serão dirigidos para cheque especial, cartão de crédito e crédito pessoal.

"É uma oferta que vai ajudar os clientes com as contas de início de ano, como IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e material escolar", disse Lazari Júnior à Reuters.

O índice de inadimplência, de operações vencidas com mais de 90 dias, era de 4,1 por cento para a carteira total do Bradesco no fim de setembro, tendo recuado 0,1 ponto percentual em relação ao segundo trimestre. O indicador era menor do que os 5,1 por cento de Itaú e Santander, porém maior que os 2,17 por cento do Banco do Brasil e os 2,06 por cento da Caixa Econômica Federal.

Segundo dados mais recentes do Banco Central, o índice global de inadimplência do sistema financeiro no país caiu 0,1 ponto em novembro, a 5,8 por cento, após quatro meses de estabilidade.

Cenário Positivo

Segundo o diretor-executivo do Bradesco, o cenário é positivo para expansão do crédito ao consumo, já que a massa salarial segue tendo ganhos reais e o índice de desemprego continua baixo.

Em 2012, os bancos privados expandiram suas carteiras em velocidade bem inferior às instituições públicas. Em 12 meses até setembro, a carteira de crédito da Caixa havia subido 43 por cento, enquanto a do BB tinha aumentado em 20,5 por cento.

Em contrapartida, o estoque de financiamentos de Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil havia crescido cerca de 10 por cento, na mesma base de comparação.

Para Lazari Júnior, a inauguração de mais de mil agências pelo Bradesco no segundo semestre de 2011 também elevou fortemente a base de clientes do banco, o que também motivou a decisão desta segunda-feira de elevar a oferta de crédito.

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>