Acordo da Petrobras é visto como mais uma intervenção

25/06/2014 21:04

Segundo analistas, reação negativa do mercado deveu-se à ausência de detalhes sobre o acordo

Dado Galdieri/Bloomberg

Terminal portuário da Petrobras na Baia da Guanabara, no Rio de Janeiro

Terminal portuário da Petrobras na Baia da Guanabara, no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - A reação negativa do mercado aos novos contratos firmados pela Petrobras com o governo para a exploração de volumes extras de petróleo no pré-sal, deveu-se à ausência de detalhes sobre o acordo, às pressões no caixa da empresa e a novas demonstrações de intervenção governamental na estatal, disseram analistas nesta quarta-feira.

O governo decidiu contratar a Petrobras, sem licitação, para explorar o óleo excedente em quatro áreas da chamada cessão onerosa, o que deve garantir à estatal reservas adicionais de até 15,2 bilhões de barris e levar a um desembolso de 15 bilhões de reais em bônus e antecipações até 2018.

As ações preferenciais da Petrobras fecharam em queda de 3,61 por cento na terça-feira, e operavam em baixa de 2,8 por cento no final do pregão desta quarta.

"O contrato pode ser economicamente atraente, mas não temos dados para saber", afirmaram os analistas do banco BTG Pactual, chefiados por Gustavo Gattass, em nota a clientes.

A instituição manteve a recomendação neutra para as ações da petroleira.

Em relação à pressão no caixa da empresa, o banco prevê a possibilidade da Petrobras precisar de um aumento de capital no próximo ano.

O Bank of America Merrill Lynch afirmou que o negócio "parece ser financeiramente positivo", mas destacou que "vem em um momento de preocupações do mercado sobre a força financeira da Petrobras e do nível de intervenção do governo na empresa".

CLIQUE AQUI E TESTE SUA PLATAFORMA DE NEGOCIAÇÃO GRÁTIS.

Também nessa linha, o Citibank destacou que o negócio "deve impactar negativamente a percepção dos investidores devido à influência política por trás". A instituição manteve sua recomendação neutra para os papeis da empresa.

O Citi Research, em relatório, disse temer que os investidores considerem que o negócio foi orientado para contribuir com as contas da União. Isso porque dos 15 bilhões de reais a serem pagos até 2018, 2 bilhões de reais deverão ser entregues ainda neste ano.

Em contrapartida, a estatal prevê que o primeiro óleo excedente da cessão onerosa seja extraído apenas em 2021.

O Citi Research elevou a estimativa de necessidade de novos endividamentos para o período 2015-18 para 24 bilhões de dólares, ante 20 bilhões, para refletir o acordo, além de adiar a projeção de equilíbrio no fluxo de caixa livre para 2019.

Já o banco UBS, além de criticar a intervenção do governo, questionou que o contrato de partilha tenha sido a melhor opção. "Estes barris vêm com riscos exploratórios inferiores, como afirmou a CEO para a imprensa local após o anúncio do negócio, mas também deve gerar retornos mais baixos do que os barris do pré-sal de Santos sob o modelo de licenciamento", disse o UBS em email a clientes.

Por outro lado, o Goldman Sachs, que manteve recomendação de compra, destacou que não vê os termos econômicos anunciados como negativos. A instituição destacou que a Petrobras adicionou novas reservas provadas ao seu portfólio.

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>