Tipos de Títulos Públicos

Os títulos públicos no mercado de  renda fixa podem ter seus rendimentos pré-fixados ou pós-fixados.
São títulos prefixados quando a taxa de juros e o rendimento do investidor são conhecidos no momento da compra do título.

São títulos pós-fixados quando o indexador é conhecido, assim como o seu cupom (juros acima deste indexador), ou seja o indexador e os juros (adicionais ao indexador) são conhecidos no momento da operação. Entretanto, o rendimento final do título será conhecido apenas no vencimento ou resgate, pois não se sabe previamente qual será o comportamento deste indexador.

* Fonte: Tesouro Nacional acessado em 06/05/10

Principais Características dos Papéis Públicos em Poder do Mercado
Tipo Função/Emissor Prazo Taxa de juros Atualização do Valor Nominal Pagto. de juros Resgate do Princial
LFT
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Título emitido pelo Tesouro Nacional para cobertura de déficit orçamentário bem como para realização de operações de crédito por antecipação para receita
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Defenido pelo ministro de Estado da Fazenda.
-
Taxa Selic
 
Na data do vencimento.
LTN
-
-
 
Na data do vencimento.
Pelo valor nominal.
NTN-B
Definida pelo Ministro de Estado da Fazenda, em porcentagem ao ano cálculo sobre o VNA.
IPCA
Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses.
 
 
 
Na data do vencimento.
NTN-F
Definida pelo Ministro de Estado da Fazenda, em porcentagem ao ano, calculado sobre o valor nominal.
-
Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses.
 
 
 Na data do vencimento.
Pelo valor nominal.

LTN: Letras do tesouro Nacional

As Letras do Tesouro Nacional são da categoria de títulos de renda fixa pré-fixados, sem pagamento de cupons intermediários. Seu valor de face (na data de vencimento) é sempre R$ 1.000,00; sendo seu rendimento definido pelo preço de compra, ou seja, pelo desconto (deságio) sobre o valor de face.

 

LTN

Exemplo 1: 

Taxa de juros = 10,00 %a.a. (ao ano, base 252 dias úteis)
Valor de face = R$ 1.000,00
Prazo = 360 dias (252 dias uteis)
Preço = R$ 1.000,00 /(1 + 0,10)^(252/252) = R$ 909,09 por título

Vantagens:

  • O investidor sabe exatamente a rentabilidade a ser recebida, caso mantenha o título até a data de vencimento;
  • Desta forma, o investidor sabe o valor bruto a ser recebido, por título, na data de vencimento (R$ 1.000,00);
  • Tem fluxo simples: uma aplicação e um resgate, sem pagamento de cupom;
  • Indicado para o investidor que acredita que a taxa pré-fixada será maior que a taxa de juros básica da economia.

 

Riscos:

  • Rendimento nominal. O investidor está sujeito a perda de poder aquisitivo em caso de alta da inflação;
  • O investidor que não conseguir manter em sua carteira o título até o vencimento e necessitar vender o título de volta para o Tesouro pode ter rentabilidade maior ou menor do que a esperada inicialmente. Os preços destes títulos variam em função da taxa de juros no mercado e um eventual  aumento dessa taxa faz com que seu preços caiam.

 

Perfil do investidor: conservador.

NTN-F: Notas do tesouro nacional - Série F

s Notas do Tesouro Nacional – Série F são da categoria de títulos de renda fixa pré-fixados, com pagamentos de cupons intermediários (semestrais). Seu valor na data de vencimento é sempre R$ 1.000,00 e dos cupons semestrais é de R$ 48,80885 (correspondente a um cupom de 10,00% ao ano, pagos semestralmente), sendo seu rendimento para o investidor definido pelo preço de compra, ou seja, pelo desconto sobre cada um desses valores.

Em função dos pagamentos intermediários, a taxa pactuada deve representar uma taxa única, que desconta todos os cupons e o resgate do valor de face. Para tanto, é necessário calcular um fluxo de pagamentos do título, com o objetivo de encontrar a taxa que expressa o rendimento (denominada TIR - Taxa Interna de Retorno). Este cálculo é um pouco mais complexo, mas pode ser facilmente resolvido com calculadoras financeiras que possuem a função TIR.

 

NTN-F

Vantagens:

  • O investidor sabe exatamente a rentabilidade a ser recebida, caso mantenha o título até a data de vencimento;
  • Desta forma, o investidor sabe o valor bruto a ser recebido, por título, na data de vencimento (R$ 1.000,00);
  • Indicado para o investidor que deseja obter um fluxo de rendimentos periódicos (cupons semestrais) a uma taxa de juros pré-fixada e  acredita que a taxa pré-fixada será maior que a taxa de juros básica da economia.

 

Riscos

  • Rendimento nominal. O investidor está sujeito a perda de poder aquisitivo em caso de alta de inflação e juros.
  • O investidor que não conseguir manter em sua carteira o título até o vencimento e necessitar vender o título de volta para o Tesouro pode ter rentabilidade maior ou menor do que a esperada inicialmente. Os preços destes títulos variam em função da taxa de juros no mercado e um eventual  aumento dessa taxa faz com que seus preços caiam.


Perfil do investidor: conservador.

LFT: Letras financeiras do tesouro

As Letras Financeiras do Tesouro são da categoria de títulos de renda fixa pós-fixados, cujos rendimentos são indexados à Taxa Selic diária1. Para ilustrar de forma simplificada sua característica, pode ser feita a seguinte analogia: na data de compra do ativo, o emissor (Tesouro Nacional) vende ao investidor uma certa quantidade de LFT, à taxa de juros de um dia, que guarda relação muito próxima à meta de taxa de juros definida pelo BC (Taxa Selic).

No dia seguinte, o emissor recompra a quantidade valorizada por essa taxa de juros e vende novamente ao mesmo investidor, agora à nova Taxa Selic do dia. Esse procedimento teórico se repete diariamente até o vencimento do título. Em função dessa característica, embutem baixo risco aos investidores, pois qualquer alteração da taxa básica de juros, automaticamente, se reflete na remuneração do título, ou seja, caso a Taxa Selic sofra um aumento a valorização diária das LFT passará a render diariamente um pouco mais. Por outro lado, se a Taxa Selic cair, o rendimento das LFT será menor.

LTF

O período da acumulação citada é desde a data-base do título.

 

O exemplo acima é puramente ilustrativo, pois, na prática, os agentes financeiros não efetuam operações diariamente. Simplesmente negociam uma taxa sobre a trajetória da Taxa Selic (acima ou abaixo) até o vencimento do título. Este, portanto é outro fator que influencia sua rentabilidade: as LFT podem ser negociadas pelo valor integral da Taxa Selic ou com prêmios (positivos ou negativos) sobre esta taxa. No caso da demanda pelo ativo ser muito grande, os investidores podem aceitar remuneração abaixo da Taxa Selic diária ao longo do prazo do título. Neste caso, diz-se que a LFT está com ágio e o seu preço de compra é superior ao seu preço de resgate. No caso contrário, os agentes financeiros podem exigir retorno acima da Taxa Selic e o preço de compra é inferior ao preço de resgate (deságio), conforme figura abaixo:

Exemplo:

Compra de LFT:
Vencimento: 17/9/08
Data da compra: 2/1/06
Valor do título na data da compra: R$ 2.574,810751 (este preço corresponde ao valor integral da remuneração da Taxa Selic incorporado ao título até a data em questão).
Taxa da compra:  0,0672% ao ano (o deságio praticado se refletirá no retorno do ativo para o seu comprador, uma vez que este obterá, na aplicação, rendimento superior à remuneração da Taxa Selic, em função da diferença entre o valor do título e o seu respectivo preço de compra).
Preço da Compra: R$ 2.570,163674 (preço com deságio)

Caso o título seja vendido em 1/9/08, portanto, um pouco antes da sua data de vencimento:
Data da venda: 1/9/08
Valor do título na data da venda: R$ 3.568,183888
Taxa da venda: -0,0690% ao ano (o ágio praticado se refletirá no retorno do ativo para o comprador, dessa vez expressando rendimento inferior à remuneração da Taxa Selic).
Preço da venda: R$ 3.568,298069 (preço com ágio)

Vantagens:

  • Indicado para o investidor que deseja uma rentabilidade pós-fixada indexada à taxa de juros da economia (Taxa Selic);
  • Fluxo simples: uma aplicação e um resgate, sem pagamento de cupom;
  • Indicado para investidor que quer se proteger de aumentos na taxa de juros do mercado.

 

Risco:

  • Preço do título varia em função da expectativa da taxa de juros pelos agentes financeiros. O investidor que não conseguir manter em sua carteira o título até o vencimento e necessitar vender o título de volta para o Tesouro pode ter rentabilidade maior ou menor do que a variação da Taxa Selic no período.

 

Perfil do investidor: mais conservador.

NTN-B: Notas do tesouro nacional - Série B

As Notas do Tesouro Nacional – Série B são da categoria de títulos de renda fixa pós-fixado, cujos rendimentos são atrelados a índices de preços. A NTN-B tem atualização pela variação do IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo – calculado e divulgado pelo IBGE, o mesmo que pauta as metas de inflação do governo. Estes títulos pagam cupom de juros semestralmente.

NTNB

O período da acumulação citada é desde a data-base do título.

 

Vantagens:

Proporciona rentabilidade real, pois o título paga juros sobre a variação do IPCA, que é a taxa de inflação utilizada pelo Governo para definir as metas do Banco Central;

Indicado para o investidor que deseja: obter um fluxo de rendimentos periódicos (cupons semestrais); uma rentabilidade pós-fixada indexada ao IPCA; e fazer investimentos de médio/longo prazos

Riscos:

O preço do título varia em função da expectativa das taxas de juros e da inflação pelos agentes financeiros. O investidor que não conseguir manter em sua carteira o título até o vencimento e necessitar vender o título de volta para o Tesouro pode ter rentabilidade maior ou menor do que a inicialmente esperada.

Perfil do investidor: conservador.

NTN-B: Principal

As Notas do Tesouro Nacional – Série B principal são da categoria de títulos de renda fixa pós-fixado, cujos rendimentos são atrelados a índices de preços. A NTN-B tem atualização pela variação do IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo – calculado e divulgado pelo IBGE, o mesmo que pauta as metas de inflação do governo. Os juros são pagos apenas no vencimento do título.

Vantagens:

  • Proporciona rentabilidade real, pois o título paga juros sobre a variação do IPCA, que é a taxa de inflação utilizada pelo Governo para definir as metas do Banco Central;
  • Indicado para o investidor que deseja uma rentabilidade pós-fixada indexada ao IPCA;
  • Indicado para o investidor que deseja fazer um investimento de médio/longo prazos;
  • Traz mais conforto ao investidor, pois suprime a preocupação e o trabalho necessários ao re-investimento, e reduz os custos de transação;
  • Formação de preços simplificada, com metodologia de cálculo mais fácil para o investidor em relação NTN-B que paga cupom de juros semestral.

Riscos

  • O preço do título varia em função da expectativa das taxas de juros e da inflação pelos agentes financeiros. O investidor que não conseguir manter em sua carteira o título até o vencimento e necessitar vender o título de volta para o Tesouro pode ter rentabilidade maior ou menor do que a inicialmente esperada.

 

Perfil do investidor: conservador.

Fonte: www.comoinvestir.com.br

 

 

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>