Avaliação de Risco

Deve ser entendido tanto como a possibilidade de perda, como uma oportunidade de ganho, pois é a probabilidade de as coisas não ocorrerem como planejadas. Assim, representa o grau de incerteza do retorno do investimento.

O investidor em debêntures está sujeito a diferentes tipos de risco, tais como:

• O risco de um investidor não pagar pela subscrição de debêntures que realizou. Nesse caso, está sujeito à cobrança administrativa ou judicial, na forma que constar da escritura de emissão da debênture;
• O risco de não receber em dia os rendimentos sobre a aplicação em debêntures;
• O risco de não receber o principal ou os rendimentos sobre as debêntures que adquiriu;
• O risco da variação da taxa de juros durante o período de vigência da debênture, para aquele que precisa negociá-la a mercado;
• O risco do prazo longo, que inibe a troca de posições quando surgem oportunidades de aplicações mais atraentes no mercado.

No primeiro caso, o risco inexiste se ele pagar pelo que subscreveu, pois o pagamento de uma subscrição pode ser feito em dinheiro ou em bens, e esses bens devem ter valor econômico aceito e reconhecido por quem os recebe. Esta é a principal razão dessa ressalva na avaliação do risco,já que a companhia emissora pode acionar o subscritor que não cumprir a obrigação de subscrever.

Nos títulos de renda fixa em geral, o risco de crédito é o mais comum. Esse risco acontece nos casos em que o investidor não recebe, na data de vencimento, o valor investido acrescido da remuneração (rendimento). Em caso de inadimplemento ou insolvência da companhia emissora da debênture, cabe ao investidor a execução das garantias, conforme estabelecido na escritura de emissão e na legislação em vigor. A avaliação do risco é obtida pelo processo de classificação de risco conhecido como rating.

Portanto, para fazer uma boa avaliação sobre qualquer alternativa de investimento, o primeiro passo é ponderar seus objetivos, pois dessa forma o investidor tomará decisões de investimento baseadas em suas reais necessidades.

Rating

Rating é uma opinião sobre risco relativo, com base na capacidade e vontade do emissor para pagar, completamente e no prazo acordado, o principal e os juros, durante o período de vigência do instrumento de dívida, e a severidade da perda, em caso de inadimplência.

Segundo a Moodys, uma das principais agências internacionais de rating em serviço no Brasil, "uma classificação é uma opinião sobre a capacidade futura, a responsabilidade jurídica e a vontade de um emitente de efetuar, dentro do prazo, pagamentos do principal e dos juros de um título específico de renda fixa”.

A classificação avalia a probabilidade de inadimplemento do emitente com relação ao título mobiliário até seu prazo de vencimento que, dependendo do instrumento, pode ser uma questão de dias, ou 30 anos ou mais.

Além disso, as classificações de longo prazo incorporam uma avaliação da expectativa de perda monetária em caso de inadimplemento.

É importante observar que as classificações da Moody’s concentram-se especificamente no risco da perda de crédito decorrente de pagamento vencido ou atrasado.

Elas não foram concebidas para medir outros riscos que possam estar envolvidos nos investimentos de renda fixa, como o risco de perda de valor de mercado de um título, decorrente das variações nas taxas cambiais ou de juros ou da quitação do principal de um empréstimo antes do seu vencimento.

Além disso, ao contrário das classificações de ações, as classificações de dívida não foram concebidas para medir o potencial de valorização do preço de um valor mobiliário.

Em cada setor, a base da abordagem de classificação da Moody’s está na resposta a uma simples pergunta: qual é o nível de risco associado ao pagamento pontual e integral do principal e dos juros de um título de dívida específico e como esse risco se compara ao de outras obrigações?

A resposta é que, geralmente, quanto maior a previsibilidade de fluxo de caixa de um emitente, maior é a garantia de que poderá efetuar os pagamentos de dívida previstos, e mais alta será a sua classificação.

As classificações, portanto, são opiniões, e não recomendações de compra ou venda, e sua exatidão não é garantida.

A classificação deve ser considerada somente um dos fatores de decisão de investimento, e o investidor deve fazer o próprio exame e avaliação dos valores mobiliários ou obrigações de dívida que estiver considerando comprar ou vender.

Rating de crédito

É a classificação que se agrega ao rating do cliente em cada tipo de operação de crédito, de acordo com as características de liquidez, levando em consideração:

• A natureza e a finalidade da operação;
• Tipos de garantias, qualidade e controle sobre elas;
• Adequação entre o prazo da operação, a forma de amortização e o fluxo de caixa do cliente;
• Formalização da operação.

Rating do cliente ou grupo econômico

É a classificação de risco, atribuída ao cliente ou ao grupo econômico do qual faz parte o cliente, conforme as características, independentemente do tipo de operação que será realizado.

As empresas e as pessoas físicas pertencentes a determinado grupo econômico deverão ter a mesma classificação de risco, ou seja, o mesmo rating.

Classficação de Risco

Melhor
qualidade

 Eles acarretam o mais baixo grau de risco de investimento e normalmente são denominados “de ouro” (gilt-edged). Seus pagamentos de juros são protegidos por uma grande margem ou por uma margem excepcionalmente estável e o seu principal está seguro. Embora possa haver mudanças nos vários elementos de proteção, as mudanças que podem ser visualizadas têm muito pouca probabilidade de prejudicar fundamentalmente a posição forte desses títulos.

Boa qualidade

 Os títulos que possuem vários atributos favoráveis de investimento e são considerados obrigações de categoria superior-média. Os fatores que conferem segurança ao principal e aos juros são considerados adequados, mas pode haver certos elementos presentes que sugerem a vulnerabilidade a um impacto negativo em alguma época futura.

Qualidade
média

 Os títulos considerados obrigações de categoria média (ou seja, não estão altamente protegidos, mas também não têm garantias fracas). Os pagamentos dos juros e do principal desses títulos parecem ser adequados no momento presente, mas certos elementos de proteção podem ser insuficientes ou podem não ser caracteristicamente confiáveis no decorrer de um período mais prolongado.

Especulativo

 Os títulos que têm elementos especulativos; seu futuro não pode ser considerado bastante seguro. Muitas vezes, a proteção dos pagamentos de juros e do principal pode ser moderada e, portanto, não são muito preservadas ao longo de tempos bons e difíceis no futuro. A incerteza da posição caracteriza os títulos desta categoria.

Muito
especulativo

 Os títulos geralmente não têm as características desejáveis de investimento. A probabilidade de pagamento dos juros e do principal ou a constância de outros termos do contrato no decorrer de períodos prolongados pode ser pequena.

Altamente
especulativo

Os títulos representam obrigações altamente especulativas. Geralmente, esses títulos estão inadimplentes ou demonstram ter outras insuficiências marcantes.

Fonte: www.comoinvestir.com.br

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>