Registro de Emissão

Toda emissão de debêntures deve ser devidamente registrada na CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Os documentos de originação para circulação de debêntures no mercado devem estar depositados em órgãos públicos e entidades de autorregulação. Tais documentos são registrados na CVM e na Anbid, e somente com essas providências de registro é que as atividades operacionais da emissão podem ser realizadas pelos agentes do mercado.

Após o registro, esses documentos devem ser de conhecimento público, para facilitar o acesso dos investidores às informações que ajudarão na decisão quanto ao investimento.

Registro CVM

O registro de uma emissão de debêntures na CVM tem por finalidade fornecer as informações básicas sobre os valores mobiliários oferecidos, como características da emissão, o volume, preço, as formas de remuneração, quem são os agentes da colocação, os custos de comissões de intermediação, entre outras.

Essas informações, somadas aos dados da companhia emissora, permitem que os investidores adquiram conhecimento das informações e, com isso, possam tomar decisões de investimento adequadas às suas necessidades.

Servem ainda para verificação da legitimidade da emissão de debêntures e da legalidade dos atos societários que lhes deram origem, sem juízo de valor sobre a qualidade do negócio.

Enquanto aguardam o registro, os investidores podem preencher pedidos de reserva para compra de títulos. Mas vale lembrar que a confirmação dessas operações dependerá, impreterivelmente, do registro.

Títulos já emitidos, mas que não circulam no mercado, podem também ser objeto de registro, quando se manifestar a intenção de colocá-los à venda ao público.

A divulgação de informações de uma distribuição secundária de debêntures pode limitar-se à publicação de edital em jornal de grande circulação.

Registro Anbid

A Instrução nº 400 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) busca simplificar os procedimentos para o registro de emissões. Menos burocracia, reduções no tempo e nos custos resultaram em melhor atendimento às necessidades das companhias que buscam no mercado de capitais recursos para financiar suas atividades.

A principal consequência dessas modificações está no aprimoramento da qualidade, conteúdo e forma de apresentação das informações aos investidores, ao mesmo tempo em que aumentaram as responsabilidades legais em relação às operações de lançamento e negociação de valores mobiliários.

Além disso, com o objetivo de proporcionar ainda mais transparência aos investidores, as instituições financeiras associadas à Anbid ou aderentes ao seu código, estão obrigadas a obedecer às regras contidas no Código de Regulação e melhores práticas da Anbid para Ofertas Públicas deTítulos e Valores Mobiliários.

As principais regras do código referem-se à elaboração de prospectos, que passaram a apresentar, necessariamente, informações mais detalhadas e precisas sobre a companhia emissora, suas atividades, negócios, ramos de atuação e fatores de risco, entre outras.

O Código de Autorregulação da Anbid complementa a Instrução 400, e determina que as ofertas públicas de títulos e valores mobiliários sejam registradas na Associação, sempre que tais ofertas tiverem a participação de seus associados ou de instituições participantes do código de Autorregulação.

O registro na Anbid deve ser providenciado no prazo de até 15 dias contados a partir da data da concessão do registro da oferta pela CVM.

Requisitos do Registro

Recentemente, temos visto no mercado uma enorme quantidade de companhias se estruturando para abrir seu capital. Esse movimento nos mostra que essas companhias estão caminhando em busca de alternativas adicionais para financiar suas atividades.

Iniciativas como essas devem obedecer a normas e regulamentos, entre os quais destaca-se o registro dessas operações de participação ou financiamento na CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A Lei 6.385/76 do Banco Central do Brasil determina que nenhuma emissão pública de valores mobiliários seja distribuída no mercado sem o prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários.

O registro, porém, não significa nenhum tipo de juízo de valor quanto à qualidade da empresa e ao risco do investimento. O registro apenas zela, por exemplo, pelo fornecimento adequado de informações aos investidores.

Além disso, o registro serve de instrumento de proteção para o investidor, ao confirmar a legitimidade da emissão e a legalidade dos atos societários e legais que lhe deram origem. Por essa razão, somente após a aprovação do registro podem ser feitas as confirmações de ordens de compra das debêntures.

O Registro de Distribuições Secundárias, ou seja, aquele para as debêntures fora de circulação (na mão de acionistas, por exemplo), é semelhante ao registro de emissão.

Fonte: www.comoinvestir.com.br

Últimas Notícias

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...

Caixa precisará de injeção de até R$ 25 bi, dizem fontes

06/06/2016 23:40
Andrevruas/Wikimedia Commons Agência da Caixa: banco necessita de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões (US$ 7 bilhões), ou cerca de 2 por cento da arrecadação federal em 2015, segundo um analista Cristiane Lucchesi e Francisco Marcelino, da Bloomberg Em seu primeiro mês...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>